Hello world! :)
Chamo-me Alexandra e tenho 24 aninhos. Estudo Ciências dos Computadores na FCUP mas o meu verdadeiro sonho é seguir Design Gráfico para o que sou formada através da escola FLAG com média de 17. Além disso sou uma aventureira e estou sempre metida em novos projetos, exemplo disso é este blogue que apesar de me fazer sentir feliz e realizada é atualizado sempre a pensar em vocês e no que gostam.
Este projeto nasceu a 24 de novembro de 2011 através do meu canal do Youtube já que estava a aprender a cuidar de mim fosse em roupas, saúde ou maquilhagem. A verdade é que na altura senti necessidade de criar o canal porque tinha muitas dificuldades nas coisas mais básicas e queria transmitir os meus problemas e como os resolvi a quem estivesse na mesma situação que eu. Tímida como era acabei por abandonar um pouco os vídeos e criar este blogue que estão a ler.
Para me conhecerem um pouco mais, além de me lerem e tentarem conviver comigo nos meus contactos (ver aba respetiva) podem ler estes posts e estas TAG's e darem-me a vossa opinião.
Sorrisos,
Alexandra :)

A 04/05/2013

EM sábado, maio 04, 2013
Alexandra Cardoso Escreve


Hello world! :)
Já há muito que não escrevia e estava com saudades até porque falta pouquinho para esta história acabar. :) Daqui a pouco vou gravar alguns vídeos com um novo fundo para os dias de sol que espero que venham a gostar. Entretanto já estive a gravar e a preparar os posts para a continuação dos signos que finalmente consegui acabar. ^^ Entretanto deixo-vos com mais um capítulo de Alice in Wonderland [Real World] em que adorei a Tartaruga que imaginei e até estou a pensar desenhá-la, digam-me se quiserem vê-lo. ^^
Até lá espero que a história vos agrada e que me digam qual o vosso ponto preferido do que já escrevi até agora. ^^
Sorrisos,
Alexandra





A história da falsa tartaruga

 A Duquesa atirou-se para os braços de Alice como se não visse alguém muito querido há meses e meses.
- Tantas saudades, estou tão feliz por vê-la. Venha, venha. - Eram as suas palavras enquanto dava o seu braço a Alice e a fazia caminhar pelo campo de críquete.
"Ela está tão diferente... será que a pimenta e os espirros é que a põem tão mal disposta? Pimenta deveria ser proibida, a sopa cai tão bem sem ela. Gomas é que põem as pessoas doces, por isso é que as crianças são tão felizes."
- Está a ouvir? Em que está a pensar? Isso faz com que se esqueça de falar. - Alice assustou-se com a voz da Duquesa. - Tudo isto tem uma moral, sabe? Só preciso saber qual é. - Enquanto isso continuavam a caminhar estando cada vez mais longe do jogo. - O jogo está a correr bem, não acha?
Alice não gostava de estar perto da Duquesa, ela era simpática mas tinha o hábito de pousar o seu queixo bicudo no ombro de Alice o que a magoava. No entanto tentou ser cordial:
- Parece que sim...
- Não parece, está! Ah, a moral, a moral... a moral da história é que "O amor faz o mundo girar" ou pode ser que seja "Tome conta do sentido e os sons tomarão conta de si mesmos”, talvez... "Pássaros da mesma plumagem voam juntos". Não, não... A moral é que "Quanto mais tenho para mim, menos sobra para os outros". Calma, Duquesa, pensa melhor! Será "Seja o que você parece ser" ou ".Nunca se imagine diferente do que deveria parecer para os outros o que você fosse ou poderia ter sido não seja diferente do que você tendo sido poderia ter parecido para eles ser diferente".
"Quanta moral...!" mas Alice não se atreveu a dizer isso em voz alta, preferiu outras palavras:
- Eu entenderia melhor se isso estivesse escrito.
- Isso não é nada em comparação com o que eu poderia dizer.
- Por favor não complique mais, não tenho cabeça para perceber.
- Não tem que perceber, eu lhe ofereço de presente.
"Que presente mais barato. Ainda bem que nos meus anos pensam noutras coisas!"
- Você está pensando de novo?
- Tenho direito a pensar.
- Tem tanto direito quanto os porcos têm de voar e a mor... - A Duquesa calou-se durante a sua palavra preferida, "moral". A Rainha estava atrás de Alice o que fez a Duquesa largar o braço da menina e fugir a sete pés.
- Vamos jogar? - Perguntou a Rainha a Alice.
Nem esperou pela resposta, puxou-a pelo braço até ao jogo que foi o pior de sempre, a Rainha ameaçava todos que lhe tentavam ganhar mas finalmente o jogo tinha chegado a um fim.
- Você já conhece a Tartaruga Falsa? Venha, vou-lhe contar a sua história. - E novamente pegando no braço de Alice dirigiram-se ao castelo. Na entrada principal, sem Alice contar, a Rainha virou à direita, em direção dos estábulos. Entraram. Lá dentro dormiam duas magníficas criaturas, uma águia apoiada na cerca de um dos cubículos, cubículo esse onde estava um leão dormindo. A Rainha deu-lhe um pontapé.
- Acorde, maldito! Leve imediatamente Alice à Tartaruga Falsa para que lhe conte a sua história. - Alice tremeu. Teria que cavalgar um leão. Não o queria de todo. - Vamos, está à espera de quê? Preciso de ir ver umas execuções que programei. - Alice, ainda com receio, subiu para o tronco do leão já de pé, talvez assim a Rainha não lhe cortasse a cabeça.
Eles ainda não tinham viajado muito quando viram uma jovem ao longe. Quando chegaram perto Alice viu uma rapariga  com cabelos verdes e uma carapaça de tartaruga nas costas. As suas roupas estavam rasgadas mas de uma maneira elegante um pouco como os metaleiros mas com muito mais cor. Ela sorria de orelha a orelha embora os seus olhos estivessem brilhantes de água como quem poderia começar a chorar a qualquer momento.
- Porque está triste? - Perguntou ao Leão como se esperasse uma resposta. - Bem, a Rainha me mandou para saber a tua história.
- Senta-te então e não digas nada até que eu acabe.
Alice olhou em volta, não havia nada onde se sentar mas como estavam num campo verde e fresco até que sabia bem sentar na relva. Demorou para começar mas finalmente a Tartaruga falou.
- Uma vez, eu era uma tartaruga de verdade. - Pousou de novo o que cansou Alice mas depressa recomeçou. - Quando era pequena ia à escola ao pé do mar, tinhámos um professor muito velho a quem chamavamos de Tartarruga.
- Porquê Tartarruga se é Tartaruga que se diz? - Já tinhamos visto que a nossa Alice era bastante curiosa.
- Simples, porque tinha muitas rugas. Nós tivemos a melhor educação, na verdade íamos à escola todos os dias. - A rapariga olhou para Alice, parecia que ela ia resmungar. - Sim, todos os dias. Com cursos como Música, Francês e Lavagem Extra! Se bem que eu era pobre o suficiente para não poder frequentar nada disso, tinha que me satisfazer com Enrolação e Contorção e, claro, Ambição, Distração, Enfeiação e Derrisão.  Também havia Mistério, antigo e moderno. Ah e Arrastamento, o professor de Arrastamento era um velho ginásta que vinha uma vez por semana. Ele também ensinava Esticamento e Desmaio em Bobinas.
- Como é isso? - Alice tinha prometido estar calada mas não conseguia logo com tanta discrição da tartaruga.
- Não posso dizer, estou meia fora de forma.
"Mas com essa carapaça às costas pareces muito forte e ágil." - No entanto Alice tentou controlar-se desta vez.
- Quantas horas estudavas por dia? - É, Alice não era assim tão boa a controlar-se.
- Dez horas no primeiro dia, nove no segundo e por aí adiante. Daí nós as chamarmos as aulas de lições, diminuiam (lessen) a cada dia que passava.
- Então no décimo-primeiro dia era feriado?
- Claro que era. - O sorriso da rapariga aumentou e as lágrimas pareceram desaparecer.
- E no décimo-segundo?
- Chega de décimos e de aulas, vamos passar aos jogos! - E a Tartaruga False colocou-se em pé de uma só vez esperando que Alice fosse consigo.


Dia4 - Um hábito que gostaria de não ter.
Roer as unhas quando elas começam a partir.

4 opiniões super acertadas:

A tua opinião é sempre bem-vinda. ^^
Todos os comentários serão respondidos no próprio post.

A tua opinião é sempre bem-vinda. ^^
Todos os comentários serão respondidos no próprio post.

 

This blog's design was created by Alexandra Cardoso inspired in Dzignine's design.
©Alexandra Cardoso 2011-2014